Lallemand Animal Nutrition
Brazil - Português   [ Alterar ]
Novidades

jun 24, 2015

A silagem de cana-de-açúcar pode ser boa alternativa

jun 24, 2015

Artigo de Lucas Mari, Médico Veterinário, Dr. em “Ciência Animal e Pastagens” – Gerente de Probióticos da Lallemand Animal Nutrition

1 – INTRODUÇÃO

A seca golpeou boa parte de regiões pecuárias nos últimos dois anos. Assim, o uso da cana-de-açúcar como fonte de volumoso pode ser uma importante alternativa nas regiões onde é possível cultivá-la.

Além disso, a crise pela qual a indústria sucroalcooleira passou recentemente fez com que houvesse maior disponibilidade dessa espécie vegetal para a produção pecuária, em detrimento à moagem na indústria para produção de álcool ou açúcar, notadamente estados do Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste do Brasil.

Ainda, relativamente ao setor sucroalcooleiro, as usinas têm se interessado em utilizar o bagaço da cana para ser queimado, para gerar vapor e cogerar energia, economicamente mais interessante devido a crise energética que ronda o Brasil devido também à seca, ao invés de que vendê-la  para o fornecimento desse coproduto como fonte volumosa em dietas. Dessa forma, o bagaço que era utilizado como fonte de fibra para gado de corte em confinamento tem faltado, sendo a cana-de-açúcar uma boa opção conservada na forma de silagem.

A cana-de-açúcar ensilada, que foi negligenciada por um bom tempo, se utilizada em certas proporções na dieta e para determinadas categorias, tem se mostrado uma fonte de forragem economicamente interessante para suprir sua demanda por forragem pelos animais. Dependendo do ano agrícola e da época do ano, algumas planilhas de comparação de volumosos suplementares têm demonstrado vantagem econômica para a cana fresca ou ensilada frente a outras opções mais tradicionais como silagem de milho ou sorgo, bem como feno de gramíneas.

O uso da cana-de-açúcar ensilada nos anos de 1970 e 1980 foi frustrante devido à incapacidade de controle da fermentação alcoólica que ocorreu. Em função de sua característica intrínseca (alto teor de carboidratos solúveis), aliada à alta população de leveduras selvagens, seu uso diminuiu e o desempenho de animais alimentados com silagem de cana foi ruim. Sua utilização ficou estagnada e apenas poucos estudos foram conduzidos nos anos 90.

Até o final dos anos de 1990, os inoculantes comerciais encontrados no Brasil, continham somente linhagens de bactérias homofermentativas produtoras de ácido lático exclusivo como: Lactobacillus plantarumLactobacillus acidophilusPediococcus acidilacticiStreptococcus faecium e Lactococcus lactis. Esses microrganismos não se mostraram efetivos na ensilagem da cana-de-açúcar, pelo contrário, seu uso comprometeu o valor nutritivo dessa silagem, como será apresentado mais adiante nesse texto.

Foi no início dos anos 2000 que um inoculante contendo bactérias heterofermentativas, produtoras de ácido acético e/ou propiônico, além do ácido lático, o Lactobacillus buchneri NCIMB 40788 foi avaliado e demonstrou resultados de melhorar a estabilidade aeróbia e perfil fermentativo das silagens. Essas ações implicaram no controle da população de leveduras e indicariam bom potencial de uso na ensilagem da cana-de-açúcar, conforme avaliado por Pedroso et al. (2007).

No início dos estudos de Pedroso et al. (2007) já se observou que cepas de bactérias homofermentativas levavam a resultados decepcionantes e efeito inverso ao requerido. Os autores encontraram produções mais de três vezes superiores (3,82 para a silagem sem inoculante vs. 12,5% para a silagem inoculada com L. plantarum) de etanol (Figura 1). Além disso, as perdas fermentativas para a silagem inoculada com Lactobacillus plantarum foram as mais altas (21,5% da MS) dentre os tratamentos testados (Figura 2).

Aditivos contendo bactérias heteroláticas que, além do ácido lático, produzem ácido acético e/ou ácido propiônico têm apresentado maneiras de melhorar a estabilidade aeróbia das silagens, devido ao maior poder destes últimos em inibir o crescimento de leveduras e fungos. De acordo com Ribeiro et al. (2005), a inabilidade de bactérias produtoras de ácido lático exclusivo em melhorar a estabilidade aeróbia despertou o interesse da utilização de inoculante com base em bactérias heteroláticas, capazes de produzir metabólitos com efeito antifúngico. Além disso, as cepas de L. buchneri (LB) não produzem etanol (Danner et al., 2003), uma vez que não possuem a enzima acetaldeído desidrogenase, tornando-se de interesse e com potencial de utilização na inoculação da cana-de-açúcar submetida à ensilagem, tanto com relação ao processo fermentativo, quanto com relação à estabilidade após a abertura. Ainda, segundo Driehuis et al. (1999), as bactérias L. buchneri promovem a metabolização do ácido lático a ácido acético e a produção de 1,2-propanodiol, também importante na estabilidade após a abertura.

2 – RESULTADOS DE ESTUDOS CIENTÍFICOS DO USO DE LACTOBACILLUS BUCHNERI NCIMB 40788 NA ENSILAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR

As primeiras avaliações do uso de bactérias heterofermentativas para uso na ensilagem de cana-de-açúcar ocorreram no início dos anos 2000 com a equipe de pesquisadores da USP/ESALQ. Outras instituições de pesquisa também deram sua contribuição no desenvolvimento deste inoculante para silagem de cana-de-açúcar, tais como: a FCAV/Unesp de Jaboticabal – SP, UEM de Maringá – PR, UFLA de Lavras – MG, dentre outras.

Pedroso et al. (2007) relataram que a inoculação com um produto específico e indicado para silagem de cana-de-açúcar como o Lalsil® Cana, promoveu melhorias significativas nos parâmetros avaliados, estes resultados estão demonstrados nas Figuras 1 a 4.

Dias Júnior et al. (2010) também verificaram que bactérias homofermentativas elevam a produção de etanol na cana-de-açúcar ensilada, mesmo se associada a bactérias que, teoricamente, pudessem ter bom desempenho. Os resultados estão demonstrados na Tabela 1.

Tabela 1 – Características de silagens de cana-de-açúcar tratadas com aditivos químicos e biológicos

Tratamento    Perda de MS

(%)

   Ác. lático

(% MS)

   Ác. acético

(% MS)

   Etanol

(% MS)

Controle (sem inoculante) 28,6 9,5 2,1 11,8
L. plantarum + E. faecium + L. buchneri      30,2 9,4 2,2 9,7
L. plantarum + P. acidicipropionici 28,0 8,6 1,9 10,3
L. buchneri 14,4 5,2 4,3 1,5

Fonte: Dias Júnior et al., 2010.

Uma importante conclusão pode ser retirada dessa pesquisa: bactérias homofermentativas não devem ser utilizadas em silagens de cana-de-açúcar, mesmo se acompanhadas de bactérias heterofermentativas. Pois, mesmo associadas ao Lactobacillus buchneri e ao Propionibacterium acidicipropionici, as bactérias homofermentativas (Lactobacillus plantarum e Enterococcus faecium) elevaram as perdas de MS e a produção de etanol na silagem de cana, não diferindo da silagem sem inoculante. Por sua vez, o L. buchneri exclusivo foi o melhor dos tratamentos testados, com redução de perdas de MS e da fermentação alcoólica.

3 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

A silagem de cana-de-açúcar, há tempos, é uma opção de fonte de volumoso suplementar com vantagens econômicas já provadas. Isso passa pela escolha de um aditivo ou inoculante específico e cientificamente testado para silagem de cana-de-açúcar. A utilização de aditivos não indicados pode acarretar em perdas ainda maiores que uma silagem de cana-de-açúcar sem aditivo algum.

O uso de bactérias homofermentativas contendo Lactobacillus plantarumLactobacillus acidophilusPediococcus acidilacticiStreptococcus faecium e Lactococcus lactis não é indicado já que podem acarretar em perdas significativas de MS e aumento no teor de etanol em silagens de cana-de-açúcar conforme demonstrado nos trabalhos de pesquisa apresentados ao longo deste texto.

4 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DANNER, H.; HOLZER, M.; MAYRHUBER, E.; BRAUN, R. Acetic acid increases stability of silage under aerobic conditions. Applied and Environmental Microbiology, v. 69, n. 1, p. 562-567, 2003.

DIAS JÚNIOR, G.S.; LOPES, N.M.; PESSOA JÚNIOR, G.; SALVATI, G.G. de S.; CARVALHO, B.F.; ÁVILA, C.L. da S.; SCHWAN, R.F.; PEREIRA, R.A.N.; PEREIRA, M.N. Perfil fermentativo, composição e perda de matéria seca de silagem de cana-de-açúcar inoculada com bactérias e contendo glicerina. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 47., 2010. Salvador. Anais. Salvador: SBZ, 2010.

DRIEHUIS, F.; OUDE ELFERINK, S.J.W.H.; SPOESLTRA, S.F. Anaerobic lactic acid degradation during ensiling of whole crop maize inoculated with Lactobacillus buchneri inhibits yeast growth and improves aerobic stability. Journal of Applied Microbiology, v. 87, p. 583-594, 1999.

PEDROSO, A. de F.; NUSSIO, L.G.; LOURES, D.R.S.; PAZIANI, S. de F.; IGARASI, M.S.; COELHO, R.M.; HORII, J.; RODRIGUES, A. de A. Efeito do tratamento com aditivos químicos e inoculantes bacterianos nas perdas e na qualidade de silagens de cana-de-açúcar. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 36, n. 3, p. 558-564, 2007.

RIBEIRO, J.L.; QUEIROZ, O.C.M.; NUSSIO, L.G. Desenvolvimento de aditivos microbianos para ensilagem: Realidade e perspectivas. In: REIS, R.A.; SIQUEIRA, G.R.; BERTIPAGLIA, L.N.A.; OLIVEIRA, A.P.; MELO, G.N.P. de; BERNARDES, T.F. (Ed.). Volumosos na produção de ruminantes. Jaboticabal: FUNEP, 2005. p. 1-24.