Lallemand Animal Nutrition
Brazil - Português   [ Alterar ]

COVID-19 Info
Gostaríamos de informar nossos clientes e parceiros que estamos fazendo todos os esforços para garantir a continuidade de nossos serviços durante esse período. Adotamos planos de contingência em nossas instalações de produção e administração e, até o momento, nossa produção está sendo executada sob rigorosas medidas de segurança para proteger a saúde de nossa equipe. Manteremos nossos clientes informados à medida que a situação evoluir.

Novidades

nov 10, 2014

Lallemand e UEM realizam pesquisa sobre os aspectos tecnológicos da produção de silagens na Região Sul do Brasil

nov 10, 2014

Aspectos tecnológicos da produção de silagens na Região Sul do Brasil1

Mábio Silvan José da Silva2*, Clóves Cabreira Jobim3, Edson Carlos Poppi4, Tamara Taís Tres2, Marcos Rogério Oliveira2, Fernanda Donini Aredes Pereira5.

1Projeto financiado pelo CNPq e Lallemand Brasil

2Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia – UEM, Maringá, Brasil,  Bolsista da CAPES. e-mail: *mabiosilvan@zootecnista.com.br; tamaratais@zootecnista.com.br; oliveira.marcos.r@gmail.com

3Professor do Departamento de Zootecnia – UEM, BRA. Pesquisador do CNPq. e-mail: ccjobim@uem.br

4Lallemand Animal Nutrition – Lallemand Brasil, BRA. Zootecnista. e-mail: epoppi@lallemand.com.br

5Graduanda em Zootecnia – UEM, BRA. e-mail: fernandadonini@hotmail.com

INTRODUÇÃO

A obtenção de silagens de boa qualidade depende de diversos fatores, dentre os quais, a escolha e condução da cultura a ser ensilada, associado à tecnologia de produção empregada, são de primordial importância. Neste sentido, objetivou-se fazer o levantamento das práticas de produção e utilização adotadas para as silagens de milho em propriedades leiteiras da região sul do Brasil. Foram realizadas visitas “in loco”, com aplicação de questionários e coleta de dados, em 40 propriedades produtoras de leite, localizadas nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, selecionadas com o auxílio dos técnicos ligados a cooperativas, responsáveis pelas regiões do estudo, visando abranger os diferentes perfis das propriedades e os sistemas de produção adotados.

MÉTODO

A partir de uma matriz de 40 propriedades e 31 indicadores obtidos, selecionaram-se os 18 indicadores com coeficiente de variação superior a 45%. Após, estes indicadores foram submetidos a novo critério de seleção, por meio de análise de correlações, com exclusão dos indicadores com correlação maior que 75%, obtendo-se 14 indicadores. Estes foram submetidos à análise fatorial de redução de dados, utilizando o método dos componentes principais, verificando-se a explicação de 70,16% das variâncias através de cinco indicadores (localização/clima, empresa do híbrido de milho, manejo de produção, tipo de ensiladeira e uso de inoculante), os quais foram agrupados por estados e avaliados através do programa estatístico SPSS.

RESULTADO

SERVIÇOS TERCEIRIZADOS

Observou-se que a demanda por serviços terceirizados, para produção de silagens, se tornou uma estratégia frequentemente adotada entre os produtores da região Sul, estando presente em 50% das propriedades leiteiras, com destaque para o estado do Rio Grande do Sul, onde foram observadas as maiores adoções (62,5%).

ESCOLHA DOS HÍBRIDOS DE MILHO

Do mesmo modo, verificou-se o cuidado com a escolha do híbrido de milho mais adequado as condições ambientais e as necessidades produtivas, obtendo-se prevalência de diferentes híbridos entre os estados. No Paraná, os híbridos da Pioneer foram os mais cultivados (41,7%), já em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, constatou-se maior utilização dos híbridos da Agroeste, com representação de 50 e 25%, respectivamente.

MANEJO DA CULTURA

Dentre os manejos empregados na condução da cultura no Sul do Brasil, observou-se a maior utilização do plantio direto associado à adubação química (32,5%), destacando-se nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com respectivos valores de 62,5 e 87,5%.

SILAGEM

Quanto ao processo de ensilagem, verificou-se o uso de ensiladoras automotrizes em 50% das propriedades avaliadas, com valores superiores no Rio Grande do Sul (75%), refletindo maior tecnificação por meio da terceirização dos serviços. O uso de aditivos foi constatado em 65% das silagens, estando o inoculante enzimo-bacteriano Lalsil® presente em 30% destas. Para as características do silo, observou-se predominância de silos tipo trincheiras (85%) e cobertos com lona dupla face (92,5%), a qual era coberta com areia em 60% dos casos.

No processo de desensilagem, verificou-se a automação em 60% das propriedades, com destaque para o Rio Grande do Sul, onde a desensilagem mecanizada estava presente em 87,5% delas. Das propriedades visitadas, 55% recebiam assistência técnica para a produção de silagem. Percentual ainda menor foi observado em relação à análise da composição da silagem, realizada por apenas 45% dos produtores. Os produtores apontaram a disponibilidade de mão de obra como uma das principais limitações para a ensilagem (25%), sendo mais limitante no estado de Santa Catarina com 62,5%. Apesar da adoção de diferentes tecnologias no processo de produção e utilização das silagens na região Sul do Brasil, os produtores demonstraram consciência de suas limitações, buscando contorná-las através de um bom planejamento e manejo da cultura e do silo, de modo a obter silagens de boa qualidade com o emprego das tecnologias ao seu alcance. As propriedades leiteiras do Rio Grande do Sul se destacaram pela utilização de tecnologia superior no processo de produção e uso das silagens.

Palavras–chave: componentes principais, ensilagem, milho, propriedades leiteiras

Agradecimentos: Aos produtores, por ceder gentilmente os dados necessários para elaboração deste trabalho.